• Paulo Henrique Mai

Nem todo esquecimento é Alzheimer


É frequente no consultório a queixa de esquecimento. Uma vez uma paciente disse ter ficado algumas semanas sem o carro por não se recordar onde havia estacionado, outro comentou já ter saído de casa e no meio do caminho simplesmente se esqueceu de para onde estava indo. Tem também aqueles lapsos de memória mais quotidianos, como abrir o armário e não se recordar o que iria pegar, ir no mercado e dar branco na lista de compras ou então aquele momento de sair de casa e não encontrar a chave em lugar nenhum. Acredito que todo mundo se recorda de já ter passado por alguma situação assim e, por mais perturbadores que sejam, esses esquecimentos não necessariamente significam Alzheimer.


Na imensa maioria dos casos, em especial nas pessoas com menos de 60 anos, o esquecimento se trata de um sintoma relacionado ao estresse, depressão, falta de sono ou excesso de tempo em frente a telas, induzindo prejuízo na concentração, atenção e memória.


A Doença de Alzheimer é diferente disso. Trata-se de um processo neurodegenerativo contínuo e progressivo que leva não apenas ao prejuízo de memória, mas também a perdas de outras funções cognitivas. A pessoa com Alzheimer pode apresentar dificuldade de orientação em lugares já conhecidos, dificuldade em encontrar as palavras certas para nomear objetos, dificuldade no planejamento de atividades que exigem etapas, como por exemplo, no preparo de alimentos, serviços de banco, cuidados com a casa. A capacidade de organização mental do que deve ser feito vai se perdendo.


Vale ressaltar que condições clínicas muito comuns como hipertensão arterial e diabetes podem causar danos contínuos à circulação sanguínea do cérebro e com isso comprometer a memória.


Ah, não podemos esquecer de que leitura, palavras cruzadas, aprender coisas novas, praticar exercícios físicos e adotar uma dieta equilibrada podem ajudar no alívio do estresse, da ansiedade, melhorar os sintomas de depressão e contribuir para melhorar a atenção e problemas de memória. Seja qual for a causa do esquecimento, essas medidas sempre ajudam!


Paulo Henrique Mai

Médico de Família e Comunidade

CRM/PR 38.165

Cannabis medicinal.

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo